Saúde em Dia

 

Dez perguntas e resposta para você conhecer um pouco mais sobre o HPV 

 

 

1 – O que é "HPV"?

HPV ou Papilomavírus Humano, é um vírus capaz de infectar a pele ou as mucosas. Dos 150 tipos de HPV diferentes existentes, há 40 tipos que podem infectar o trato ano-genital.

2 – Todo tipo de HPV pode causar câncer de colo uterino?

Não. Infecções por HPV são frequentes, porém transitórias e em sua maioria regridem espontaneamente. Em um pequeno número de casos, nos quais a infecção torna-se persistente e é causada por um tipo viral oncogênico(que tem potencial de causar câncer), pode ocorrer o desenvolvimento de lesões precursoras. Caso estas lesões não sejam identificadas e tradadas, podem evoluir para o câncer, principalmente no colo do útero, porém, também há possibilidade  de que se desenvolva em outras regiões como vagina, vulva, ânus, pênis, orofaringe e boca.

3 - Quais são os tipos de HPV que podem causar câncer?

Existem 13 tipos de HPV  de alto grau, ou seja, considerados oncogênicos e que apresentam maior risco ou probabilidade de provocar infecções persistentes e estar associados a lesões precursoras. São eles: 16, 18, 31, 33, 35, 39, 45, 51, 52, 56, 58, 59 e 68. Os tipos 16 e 18 são considerados os mais agressivos, pois causam cerca de 70% dos cânceres do colo do útero.

Já o os 12 tipos de HPV de baixo risco: 6, 11, 40, 42, 43, 44, 53, 54, 61, 72, 73 e 81, não causam câncer, porém podem, causar verrugas genitais ou alterações pequenas nas células do colo do útero. Os tipos 6 e 11, são encontrados em 90% dos condilomas genitais e papilomas laríngeos(verrugas genitais).

4 - Toda mulher infectada pelo vírus do HPV pode desenvolver câncer do colo do útero?

Não. Aproximadamente 291 milhões de mulheres no mundo são portadoras do HPV, sendo que 32% estão infectadas pelos tipos 16, 18 ou ambos. Comparando-se esse dado com a incidência anual de aproximadamente 500 mil casos de câncer de colo do útero, conclui-se que o câncer é um desfecho raro, mesmo na presença da infecção pelo HPV. Ou seja, toda mulher com câncer de colo uterino teve infecção por HPV, mas nem todas as mulheres com HPV vão desenvolver câncer de colo do útero.

5 - Como as mulheres podem se prevenir do câncer do colo do útero?

Realizando exames ginecológicos preventivos, periodicamente e com a vacinação contra o HPV antes do início da vida sexual. Tomando-se todos estes cuidados é possível prevenir a doença em 100% dos casos.

6- Uma pessoa infectada pelo vírus necessariamente apresenta sinais ou sintomas?

Não. A maioria das infecções por HPV são assintomáticas e transitórias (regridem espontaneamente). O vírus pode permanecer latente por muitos anos, tanto no homem quanto na mulher sem apresentar qualquer tipo sintoma.

 

7 - Quais são as manifestações da infecção pelo HPV?

Estima-se que somente cerca de 5% das pessoas infectadas pelo HPV desenvolverá alguma forma de manifestação. Podendo se manifestar de duas formas:

Infecções Clínicas (visíveis a olho nú) -  verrugas e/ou condilomas(crista de galo).

Mulheres: podem aparecer no colo do útero, vagina, vulva, região pubiana, perineal, perianal e ânus. Homens: podem aparecer no pênis, bolsa escrotal, região pubiana, perianal e ânus. Essas lesões também podem aparecer na boca e na garganta em ambos os sexos.

Infecções Subclínicas (não visíveis ao olho nu) - podem ser encontradas nos mesmos locais e não apresentam nenhum sintoma ou sinal. No colo do útero são chamadas de Lesões Intra-epiteliais de Baixo Grau/Neoplasia Intra-epitelial grau I (NIC I), que refletem apenas a presença do vírus, e de Lesões Intra-epiteliais de Alto Grau/Neoplasia Intra-epitelial graus II ou III (NIC II ou III), que são as verdadeiras lesões precursoras do câncer do colo do útero.

O desenvolvimento de qualquer tipo de lesão clínica ou subclínica em outras regiões do corpo é raro.

8- Existem exames que podem diagnosticar a infecção pelo HPV em homens e mulheres?

Sim. Há exames realizados por Biologia Molecular que detectam com grande acurácia a presença do vírus mesmo quando ele ainda encontra-se na fase latente, ou seja, quando não há nenhum tipo de manifestação clínica ou subclínica. Este tipo de exame irá mostrar a presença de DNA do vírus no material coletado do paciente. São exames simples e que podem dar o resultado em poucos dias.

O diagnóstico das verrugas ano-genitais pode ser feito em homens e em mulheres por meio do exame clínico.

As lesões subclínicas podem ser diagnosticadas por meio de exames laboratoriais (citopatológico, histopatológico e de biologia molecular) ou do uso de instrumentos com poder de aumentar sua visualização (colposcópia, peniscopia, auscopia).

9 - Há tratamento para a infecção pelo HPV?

Não há tratamento específico para eliminar o vírus.

Pode-se realizar o tratamento das lesões clínicas de forma individualizada, dependendo de caso para caso podem ser usados laser, eletrocauterização, ácido tricloroacético (ATA) e medicamentos que melhoram o sistema de defesa do organismo.

As lesões de baixo grau tendem a desaparecer mesmo sem tratamento na maioria das mulheres. A conduta recomendada é a repetição do exame preventivo em seis meses.

O tratamento apropriado das lesões precursoras é imprescindível para a redução da incidência e mortalidade pelo câncer do colo uterino.

Somente o médico, após a avaliação de cada caso, poderá recomendar a conduta mais adequada.

 

10 . Após passar por tratamento, a pessoa pode se reinfectar?

Sim. Como há existência de vários tipos virais, pode ocorrer o contato com outro tipo.

 

 

Referências: websites INCA e HPV TEST (QIAGEN)

 

 

Ir para a página Saúde em Dia